A Fome da Nação Negra

19 Dezembro 2016 15:14:51

A fome que me consome é a mesma fome de toda Nação Negra. Fome de respeito, fome justiça, fome de igualdade, fome pelo seu espaço na sociedade. Por décadas calaram a real história sobre os negros e a escravidão dos africanos. Hoje querem calar a voz de uma poetisa engajada numa causa nobre. Quando somos submetidos a torturas como fora no passado na época da escravidão e os dias atuais forçados a nos calarmos, temos que unir forças e mostrar que não esmorecemos por nada.

A nossa história é ocultada por décadas e se esconder como faziam os negros fujões não cabe mais nos dias atuais. Não estamos mais no século XIX. Está na hora da nossa liberdade sair do papel assinado pela Princesa Isabel e se tornar uma realidade de fato. Merecemos o nosso espaço, somos muitos mais que porteiros, faxineiros, copeiros, varredores, lixeiros, guardas de shoppings... Não que isso nos desvalorize, até mesmo porque o trabalho dignifica o homem.

Mas bem sabemos que, podemos ir muito mais além do somos, ou aquilo que a sociedade nos impõe. Por muito tempo os africanos foram apresentados como um povo pacífico, nada contestador e pouco desenvolvido. E uma mística à cerca dos negros foi criada. E hoje a luta por respeito, direitos iguais e espaço perante a sociedade tem sido anossa guerrilha negra.Então, no intuito de unirmos forças e prosseguirmos na caminhada a Nação Negra convoca a todos os guerreiros negros e todos aqueles que acham a causa justa e nobre a guerrear conosco. Vamos matar a nossa fome. Vamos alimentar o mundo. Avante Nação!
 

3192718256.png
3729519686.jpg
Capturar.PNG

Copyright © 2011. Todos os direitos reservados | Jornal O Riossulense