Dresch denuncia manobra de desvio de impostos da Celesc por meio do Fundo Social

29 Novembro 2016 17:34:04

Nesta terça-feira, 29,  será votado  em Plenário o  Projeto  de Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para o ano que vem.  O deputado estadual  Dirceu Dresch (PT) vai apresentar  destaque  para voto em separado de emendas de sua autoria que ampliam os repasses para Udesc e Defensoria Pública. O objetivo é  impedir manobra do governo Colombo  que visa diminuir  o percentual de recursos da Assembleia Legislativa para quitar  débito com TJSC e MPSC.

"Se for para abrir mão de recursos, que esse dinheiro seja para a educação, seja para o acesso à justiça gratuita. É isso que vamos propor. Não vamos aceitar que o Legislativo pague a conta de um crime fiscal milionário cometido por este governo", afirmou Dresch.

O crime fiscal, citado por Dresch, tem  sua origem no desvio de mais de R$ 1 bilhão em impostos pagos pela Celesc relativos a ICMS, em 2015 e no primeiro semestre deste ano. Ao invés de os recursos entrarem na conta do governo, foram creditados como doação na conta do Fundo Social. Assim, o governo evitou dividir esses recursos com os municípios, poderes e Udesc.  A manobra está sendo questionada pelo Tribunal de Contas do Estado e é motivo de um pedido de impeachment protocolado por 29 entidades sindicais, que tramita no Legislativo.  Só o débito com as 295 prefeituras alcança mais de R$ 250 milhões.

Futuro do 24 milhões

Na reunião da Comissão de Finanças e Tributação, realizada na semana passada,  a emendas propostas por Dresch à LDO, que garantiriam 0,58% da arrecadação estadual para a Defensoria Pública e ampliavam de 2,49% para 2,66% o reasse para a Universidade do Estado de Santa Catarina, foram rejeitadas.  Já a emenda proposta pelo governo, que diminui 0,17 ponto percentual do duodécimo da  Assembleia Legislativa, parte a que o Legislativo tem direito sobre a arrecadação estadual, cerca de R$ 24 milhões anuais, e repassa esse montante para o Ministério Público Estadual (0,07%) e Tribunal de Justiça (0,1%), foi aprovada. O aumento  ficaria em vigor por cinco anos. O deputado vai reapresentar suas  emendas em plenário nesta terça-feira.

"Não há problema em aceitar que o Legislativo abra mão de parte do seu orçamento, já estamos fazendo isso com a saúde, por meio do Fundo dos Hospitais Filantrópicos. Nossa proposta visa agora que uma parte também vá para a Udesc e  para a Defensoria Pública, que sofre com falta de orçamento.  O que não dá para aceitar é o governo fazer uma manobra para tentar  legalizar o crime que foi cometido, e fazer isso usando recursos do Legislativo. O que foi feito com os milhões em impostos pagos pela Celesc?"

Manobra pra evitar impeachment

Além da emenda apresentada na LDO para saldar a dívida do TJSC e o MPSC em decorrência do desvio de impostos da Celesc por meio do Fundo Social, o governador Raimundo Colombo também mandou para a Assembleia Legislativa o Projeto de Lei 325/2016, reconhecendo uma dívida que supera os R$ 250 milhões com municípios e estabelecendo o prazo de 60 parcelas mensais e sucessivas, o que equivale a cinco anos de espera. "Esta ação é a confissão  de culpa do governador. Está lá na justificativa apresentada.  Estamos assistindo a um grande acordo para evitar o impeachment do governador Raimundo Colombo."

3192718256.png
3729519686.jpg
Capturar.PNG

Copyright © 2011. Todos os direitos reservados | Jornal O Riossulense